Piramidal.net

Pirâmide não é magia. É Tecnologia!

  • Pirâmide de cobre C130

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de cobre C150

    Pirâmide de cobre C150

  • Pirâmide de alumínio A130

    Pirâmide de alumínio A130

  • Incenso japones aroma orvalho

    Incenso japones aroma orvalho

  • Incenso japones aroma jasmim

    Incenso japones aroma jasmim

  • Pirâmide de latão fechada

    Pirâmide de latão fechada

  • Fórum sobre jejum, alimentação prânica (viver de luz) e temas relacionados

Posts Tagged ‘fim’

Budismo: o fim do sofrimento

Posted by luxcuritiba em abril 19, 2008

piramidal.net | lojapiramidal.com

      

O budismo surgiu a 2.500 anos, mas os ensinamentos do Buda sempre existiram. Pode ser considerado uma filosofia de vida na qual existe um fundo religioso ou uma religião com questões filosóficas sobre a vida.

Nascemos e vivemos a vida que nos é dada e, eventualmente, sentiremos uma sensação de insatisfação com as condições de nossa existência. Esse sentimento é o que o budismo chama de “sofrimento”. O budismo é uma prática que visa eliminar esse sofrimento e alcançar a felicidade absoluta e incondicional.

O budismo é baseado na experiência de Siddhartha Gautama, príncipe indiano que abandonou riquezas e prazeres, para descobrir como eliminar o sofrimento de seu povo. Fundamenta-se nas Quatro Nobres Verdades, que são:

· A existência do sofrimento;
· O sofrimento é causado pelo desejo;
· Eliminando o desejo eliminamos o sofrimento;
· Para eliminar o desejo praticamos o Caminho Óctuplo.

A chamada “iluminação”, meta a ser alcançada pelo praticante, significa a libertação do sofrimento e o encontro com a felicidade completa e incondicional. Para atingir esse estado de não-sofrimento é praticado o Nobre Caminho Óctuplo que consiste de:

· Reta visão e entendimento;
· Reto pensamento;
· Reta palavra;
· Reta ação;
· Reto modo de subsistência;
· Reto esforço;
· Reta atenção;
· Reta concentração.

O caminho do meio: equilíbrio é a chave

Siddhartha, morando em seu palácio, levada uma vida plena de prazeres até que, decidido a conhecer a vida fora do palácio, deparou-se com o sofrimento sob a forma da velhice, da doença e da morte.

Decidido a encontrar uma solução para essas formas de sofrimento abandonou a nobreza e adotou uma vida ascética. Durante vários anos manteve contato com eremitas e brâmanes aprendendo suas tradições e praticando a meditação. Conta-se que chegou ao ponto de passar o dia com apenas um grão de arroz.

Depois de alguns anos de severas mortificações, estando fraco e esquelético, percebeu que abandonar os prazeres por uma vida de extremo ascetismo não o estava levando à eliminação do sofrimento.

Compreendeu então que a chave para o não sofrimento é o equilíbrio entre o prazer e a abstenção, o que ficou conhecido como O caminho do meio. Segundo os ensinamentos do Buda, negar todo prazer não trará felicidade plena, e deixar-se levar por toda forma de sensação também não.

A meditação

Para encontrar o perfeito equilíbrio mental que leva a felicidade plena é fundamental conhecer a natureza de nossas emoções e como a mente funciona. Uma ferramenta essencial para alcançar esse entendimento é a prática da meditação chamada, no Zen-budismo, de Zazen.

A meditação zazen consiste numa prática de relaxamento, onde a pessoa senta-se de forma confortável, mantém uma respiração lenta e profunda, os olhos fixos num ponto à frente em ângulo de 45º para baixo e elimina toda forma de pensamento. O objetivo do zazen é silenciar a mente e levar a um maior grau de auto-conhecimento e auto-controle.

Inação ou HIPERação?

A prática de meditação zen-budista pode dar a impressão, à primeira vista, de que o budista incentiva seus adeptos a uma inação doentia. No entanto, o objetivo da meditação zen não é divagar com a mente mas sim alcançar um estado de plena lucidez ou hiper-lucidez como mencionam alguns autores. Este estado de hiper-lucidez é um estado onde a pessoa está completamente no aqui-agora, sem divagar, com a atenção totalmente voltada para o que está fazendo.

O budismo não diz que devamos ficar parados o dia inteiro, pelo contrário, diz que toda atividade cotidiana pode ser utilizada como prática de meditação ativa. O requisito para isso é realizar as atividades de forma plenamente consciente, plenamente lúcida, e não de forma autômata como tão normalmente ocorre, onde as pessoas executam suas atividades como se fossem robôs.

Dica de livro

A MENTE ALERTA — JON KABAT-ZINN, OBJETIVA, RIO DE JANEIRO, 2001.
Em linguagem simples e atual, o autor reflete sobre alguns conceitos budistas relacionados à mente e à prática meditativa e sobre como aplicá-los com naturalidade ao cotidiano do homem ocidental urbano. Kabat-Zinn é fundador e diretor da Clínica de Redução do Estresse do Centro Médico da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos.

Zhannko Idhao Tsw

DIREITOS AUTORAIS: Este texto pode ser copiado, por quaisquer meios e para qualquer fim, desde que citada a autoria.

INFORMAÇÃO é mais do que um DIREITO, é um DEVER.

      

Posted in Artigos | Etiquetado: , , , , , , , , , , | 3 Comments »