Piramidal.net

Pirâmide não é magia. É Tecnologia!

  • Pirâmide de cobre C130

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de cobre C150

    Pirâmide de cobre C150

  • Pirâmide de alumínio A130

    Pirâmide de alumínio A130

  • Incenso japones aroma orvalho

    Incenso japones aroma orvalho

  • Incenso japones aroma jasmim

    Incenso japones aroma jasmim

  • Pirâmide de latão fechada

    Pirâmide de latão fechada

  • Fórum sobre jejum, alimentação prânica (viver de luz) e temas relacionados

Mapeamento de partículas magnéticas no cérebro humano

Posted by luxcuritiba em agosto 13, 2018

piramidal.net | lojapiramidal.com

      

Pesquisadores da LMU mapearam pela primeira vez a distribuição de partículas magnéticas no cérebro humano. O estudo revela que as partículas estão localizadas principalmente no cerebelo e no tronco cerebral, que são as partes mais antigas do cérebro.

Acredita-se que muitos organismos vivos, como as aves migratórias, possuem um sentido magnetotático, o que lhes permite responder ao campo magnético da Terra. Se os humanos são capazes ou não de sentir magnetismo é o assunto do debate. Entretanto, vários estudos já mostraram que uma das pré-condições requeridas para tal sistema sensorial magnético foi de fato encontrada: partículas magnéticas existem no cérebro humano. Agora, uma equipe liderada por Stuart A. Gilder (professor do Departamento de Ciências Ambientais e da Terra da LMU – Ludwig-Maximilians-Universität München) e Christoph Schmitz (professor do Departamento de Neuroanatomia da LMU) sistematicamente mapeou a distribuição de partículas magnéticas em cérebros humanos post mortem. Suas descobertas foram publicadas na revista Scientific Reports. (Nature Publishing Group)

Em seu estudo, os pesquisadores da LMU confirmaram a presença de partículas magnéticas no cérebro humano. As partículas foram encontradas principalmente no cerebelo e no tronco cerebral, e houve impressionante assimetria na distribuição entre os hemisférios esquerdo e direito do cérebro. “O cérebro humano explora assimetrias nas respostas sensoriais para orientação espacial e também para localização de fontes sonoras”, explica Schmitz. A distribuição assimétrica das partículas magnéticas é, portanto, compatível com a ideia de que os humanos podem ter um sensor magnético. Mas com toda a probabilidade, este sensor é muito insensível para servir a qualquer função biológica útil, acrescenta. Além disso, a natureza química das partículas magnéticas permanece desconhecida. “Nós assumimos que elas são todas feitas de magnetita (Fe3O4), mas ainda não é possível ter certeza”, diz Gilder.

O estudo foi financiado pelo programa “Experiment!” Da Fundação Volkswagen, que foi projetado especificamente para dar início a novos projetos de pesquisa, cuja novidade é incerta. Os dados foram obtidos de sete cérebros humanos post mortem, que foram doados para uso em pesquisas médicas. No total, um total de 822 amostras de tecido foram submetidas a magnetometria. As medições foram realizadas sob a supervisão de Stuart Gilder em um laboratório blindado magneticamente localizado em uma floresta a 80 km de Munique, que é amplamente livre de poluição magnética generalizada que é característica dos ambientes urbanos hoje em dia.

Em experimentos posteriores, a equipe da LMU planeja caracterizar as propriedades das partículas magnéticas encontradas em cérebros humanos. Em colaboração com o professor Patrick R. Hof (Departamento de Neurociência Fishberg, Icahn School of Medicine em Mount Sinai, Nova York), eles também esperam realizar estudos de localização análogos em mamíferos muito maiores – as baleias. Sabe-se que estes enormes mamíferos marinhos migram entre as áreas de alimentação e reprodução em grandes distâncias nos oceanos do mundo. “Queremos determinar se podemos detectar partículas magnéticas nos cérebros das baleias e, em caso afirmativo, se elas também são distribuídas assimetricamente”, diz Schmitz. “Escusado será dizer que tais estudos serão realizados em animais que morreram de causas naturais.”

Veja o estudo completo (em inglês) em Distribution of magnetic remanence carriers in the human brain. Ou baixe em pdf no LINK.

https://www.en.uni-muenchen.de/news/newsarchiv/2018/schmitz_magnetite.html

      

Uma resposta to “Mapeamento de partículas magnéticas no cérebro humano”

  1. itacyr salles da silva said

    Sulfato de Ferro, ou o popular Sulfato Ferroso.
    Essa é a substância que permite ao corpo humano ter saúde, ou doenças.
    São átomos de Fe magnetizados, na falta deles, ou no excesso, descoordenados, que muitas doenças atingem as pessoas, incluído aí — infarto, entupimentos de artérias por coágulos do sangue.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s