Piramidal.net

Tudo o que você sempre quis saber sobre pirâmides.

  • Pirâmide de cobre C130

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de cobre C150

    Pirâmide de cobre C150

  • Pirâmide de alumínio A130

    Pirâmide de alumínio A130

  • Incenso japones aroma orvalho

    Incenso japones aroma orvalho

  • Incenso japones aroma jasmim

    Incenso japones aroma jasmim

  • Pirâmide de latão fechada

    Pirâmide de latão fechada

  • Fórum sobre jejum, alimentação prânica (viver de luz) e temas relacionados

Plantas reagem à anestesia da mesma forma que os animais

Posted by luxcuritiba em dezembro 26, 2017

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Anestesia em plantas

As plantas reagem aos anestésicos de forma semelhante aos animais e aos humanos, o que indica que as plantas podem ser cobaias ideais para testar novas anestesias e procedimentos anestésicos.

Os anestésicos foram usados pela primeira vez no século 19, quando se descobriu que inalar éter impedia que os pacientes sentissem dor durante as cirurgias. Desde então, vários produtos químicos se revelaram capazes de induzir a anestesia.

De forma um tanto intrigante, e apesar do fato de que a anestesia tem sido largamente usada nesses 150 anos desde sua descoberta, a ciência não sabe muito sobre como esses produtos químicos tão diferentes, sem semelhanças estruturais, se comportam como agentes anestésicos, induzindo a perda de consciência.

E agora a coisa se complicou, já que as plantas não têm um sistema nervoso como os animais.

Mistério da anestesia

Ken Yokawa e seus colegas das universidades de Bonn (Alemanha) e Utsunomiya (Japão) comprovaram que os anestésicos funcionam nas plantas – quando expostas a anestésicos, várias plantas perderam tanto os movimentos autônomos quanto os movimentos induzidos pelo toque.

A dioneia, por exemplo, um tipo bem conhecido de planta carnívora, quando anestesiada se mostrou incapaz de gerar sinais elétricos, fazendo com que suas armadilhas permanecessem abertas quando os pelos disparadores eram tocados. Já as gavinhas das ervilhas interromperam seus movimentos autônomos e ficaram imobilizadas em um formato ondulado.

Segundo Yokawa, estes experimentos colocam as plantas como um modelo emergente para estudar questões gerais relacionadas aos anestésicos, além de servir como um sistema de teste alternativo aos animais de laboratório.

Em termos de conhecimento fundamental, a reação das plantas aprofunda o mistério sobre o funcionamento dos anestésicos, mas pode também dar novas pistas aos cientistas, que poderão procurar as respostas para esse mistério em estruturas coincidentes entre plantas e animais.

O estudo foi publicado no jornal científico Annals of Botany.

http://www.diariodasaude.com.br

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s