Piramidal.net

Tudo o que você sempre quis saber sobre pirâmides.

  • Pirâmide de cobre C130

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de alumínio A150

    Pirâmide de alumínio A150

  • Pirâmide de cobre C150

    Pirâmide de cobre C150

  • Pirâmide de alumínio A130

    Pirâmide de alumínio A130

  • Incenso japones aroma orvalho

    Incenso japones aroma orvalho

  • Incenso japones aroma jasmim

    Incenso japones aroma jasmim

  • Pirâmide de latão fechada

    Pirâmide de latão fechada

  • Fórum sobre jejum, alimentação prânica (viver de luz) e temas relacionados

Google Earth ajuda a encontrar cidade perdida na Amazônia

Posted by luxcuritiba em outubro 18, 2010

piramidal.net | lojapiramidal.com

compartilhar

Google Earth ajuda a encontrar El Dorado

Durante quase 500 anos, os exploradores têm procurado em vão por uma cidade perdida, que agora, com o Google Earth, pode ter sido encontrada.

Ed Caesar

Desde a época dos conquistadores, a lenda de uma antiga civilização perdida no meio da floresta amazônica tem encantado centenas de exploradores e levou muitos à morte. Alguns chamavam o seu sonho de El Dorado. Outros, mais notavelmente o coronel Percy Fawcett, glorioso explorador britânico bigodudo (e modelo da vida real para Indiana Jones) nomeou-a de Cidade Z. Mas ninguém jamais voltou da Amazônia com provas concludentes de que tal lugar existiu.

Agora três cientistas chegaram perto de fazer isso. O jornal Antiquity publicou um relatório mostrando mais de 200 obras de terraplanagem maciça na bacia do Amazonas, perto da fronteira do Brasil com a Bolívia. Do céu, parece que uma série de figuras geométricas foram escavadas na terra, mas os arqueólogos e historiadores, que publicaram o relatório acreditam que essas formas são os restos de estradas, pontes, fossos, avenidas e praças que formaram a base para uma sofisticada civilização que abrange 155 milhas, o que poderia ter apoiado uma população de 60.000 pessoas. Os vestígios datam do 200 a 1283 D.C.

Coronel Percy Harrison Fawcett

É uma surpreendente descoberta – que se baseia no trabalho arqueológico recente no Brasil e norte da Bolívia e na disponibilidade de imagens do Google Earth de seções desmatadas da Amazônia. Desde os anos 1980 antropólogos começaram a revelar indícios de civilizações avançadas que viveram na bacia Amazônica: o último desenvolvimento supera todos eles.

David Grann, autor de The Lost City of Z, acredita que a importância desta descoberta não pode ser exagerada. “Ela quebra as noções prevalecentes do que a Amazônia parecia antes da chegada de Cristóvão Colombo“, diz ele.

“Durante séculos, os cientistas assumiram que a selva era simplesmente uma armadilha mortal, um ‘paraíso contrafeito’, onde apenas pequenos, primitivos, tribos nômades existiram. Estas descobertas mostram que a Amazônia era, na verdade, o lar de uma grande civilização que antecedeu os incas e construiu uma sociedade extraordinariamente sofisticada com terraplenagem monumental.”

John Hemming

O sonho de encontrar civilizações perdidas da América do Sul tem persistido durante séculos, principalmente por causa dos dois primeiros sucessos que fizeram a terra tremer. Como John Hemming, ex-diretor da Royal Geographical Society, narra em seu livro de 1978, The Search For El Dorado, foram os conquistadores que começaram a mania. Em 1519 Hernán Cortés e seus soldados descobriram a cidade asteca de Tenochtitlán, no México. No início de 1530, Francisco Pizarro conquistou o império Inca, no que é agora o Peru. A idéia de uma “Cidade Dourada” em algum lugar mais profundo na floresta inexplorada foi apresentado no imaginário europeu e nunca mais foi esquecido.

Grann cita que em 1753 um bandeirante Português – um soldado da fortuna – emergiu da selva amazônica e descreveu como “depois de uma longa e perturbadora peregrinação, incitado pela ganância insaciável de ouro”, ele tinha visto as ruínas de uma antiga cidade no topo de uma montanha. O homem entrou na cidade, descobrindo “arcos de pedra, uma estátua, avenidas largas e um templo com hieróglifos“. O bandeirante escreveu: “As ruínas mostraram bem o tamanho e grandeza que deve ter havido lá e como populosa e opulenta deveia ter sido na época em que floresceu”.

Pouco antes da eclosão da primeira guerra mundial, Fawcett, que havia sido enviado em anteriores missões exploratórias à América do Sul pela Royal Geographical Society, leu o relatório do Bandeirante. Ele foi fisgado. Mas, quando ele estava preparando mapas para uma expedição para encontrar o que chamou de City of Z, a guerra interveio. Após o armistício, em 1918, ele tentou levantar fundos para uma expedição a Z e foi demitido como um maluco.

Fawcett – cujo lema de família era “Dificuldades que se dane” – não se intimidou. Em 1920, ele liderou uma missão caótica para encontrar a cidade perdida, que terminou quando ele teve que matar seu cavalo (em um local conhecido posteriormente como Dead Horse Camp). As expedições de Fawcett tinham muitas vezes esse teor amadorista. Ele era conhecido por deixar [tudo] para a selva carregando apenas uma mochila de 60lb e uma cópia do poema de Rudyard Kipling’s, The Explorer. Quando seu pequeno grupo foi emboscado pelos nativos, Fawcett disse ter ordenado aos seus homens para tocar instrumentos musicais e cantar “Soldados da Rainha”, enquanto as setas caiam em torno deles.

A excentricidade do explorador mascarava uma convicção cada vez mais fervorosa na existência de uma cidade perdida. Ele insistia, em suas súplicas por fundos à Royal Geographical Society, que eram “as mais notáveis relíquias de uma antiga civilização” na Amazônia. Depois de voltar de sua missão abortada em 1920, ele praguejou mais uma vez contra seus opositores. “It will of course come out”, escreveu ele, “que um Colombo moderno foi rejeitado na Inglaterra.”

Em 1925 Fawcett, próximo de ser destituído na época, partiu em sua segunda e última expedição para encontrar a cidade de Z. Ele escreveu à esposa: “Você não precisa ter medo de qualquer falha.” Mas ele nunca mais foi visto. Em 1927 ele foi declarado desaparecido pela Royal Geographical Society. Duas missões subsequentes tentaram encontrá-lo, mas sem sucesso.

Quase um século depois do desaparecimento de Fawcett, seus instintos parecem ter-se provado como corretos. “Embora ele esperace a cidade Z como construída de pedra, e apesar de até o final de sua vida, ele tenha tido uma noção mais fantástica do que seria adequado, estas descobertas mostram que ele foi, de muitas maneiras, extraordinariamente presciente”, diz Grann.

“De fato, durante seus anos de investigação, ele relatou uma descoberta muito semelhante: grandes montes de terra cheia de cerâmica antiga e frágil e de uma rede de interconexão de calçadas e estradas. Ele estava convencido de que havia ruínas que antecederam os incas e que a Amazônia tem sido o lar de assentamentos maciços, com sociedades sofisticadas e obras monumentais.”

Outros não estão convencidos. Hemming diz que, embora o papel na Antiguidade é “importante trabalho de gente séria… nada disso tem qualquer coisa a ver com o El Dorado ou com a racista e incompetente cabeça de Percy Fawcett. É como se alguém tentase ligar uma descoberta em Stonehenge, digamos, com viagens de Edward Lear nos Balcãs”.

Ambos os homens podem concordar que a recente descoberta é um grande avanço em nosso conhecimento da região. The breakthrough has been eight years in the making. Em 2002, Martti Parssinen, um historiador finlandês e arqueólogo, e um dos co-autores do relatório, foi chamado por um companheiro especialista, Alceu Ranzi, que tinha notado formas geométricas escavadas na terra durante o vôo sobre a Amazônia e que esperava que Parssinen fosse investigar essas formas com ele.

“Ele entendeu que não eram estruturas naturais”, lembra Parssinen. “Ele percebeu que elas devem ter sido feitas pelos povos indígenas.”

De acordo com Parssinen, Ranzi já tinha tentado recorrer a ajuda de cientistas nos Estados Unidos, mas a proposta foi recusada. “Eles simplesmente não acreditaram nele”, lembra Parssinen. “Mas eu percebi, por causa do trabalho que eu tinha feito na área, que esta poderia ser uma coisa muito importante. Foi muito emocionante receber esse telefonema. ”

Foi ainda mais emocionante, diz Parssinen, para sobrevoar as áreas que Ranzi tinha notado. “Quando eu vi as formas, então, foi uma sensação incrível”, diz ele. “Todas as velhas teorias dizem que esta área da Amazônia só poderia ter suportado caçadores e coletores. Ninguém acreditava que uma grande civilização poderia ter existido lá. Percebemos que esta descoberta poderia mudar a história. ”

Os autores publicaram um relatório em 2003 e então esperaram durante três anos a permissão para começar a escavar a área. A utilização de imagens de satélite Google Earth para localizar os locais exatos fez seu trabalho mais fácil do que o trabalho arqueológico anterior na região. Mas sua descoberta é, por qualquer medida, impressionante.

As implicações da descoberta são de grande alcance. “Esse é realmente o início de uma reavaliação da história. Estamos apenas começando a entender a Amazônia”, diz Parssinen.

Grann acredita que esta descoberta levará não apenas a uma reavaliação do potencial dos povos da Amazônia pré-Colombiana, mas também a um crescente interesse arqueológico na região. “Esta é apenas a ponta do iceberg”, diz ele. “Os autores do mais recente estudo estimam que os cientistas descobriram, nesta área específica, apenas 10% dos trabalhos de terraplenagem geométrica e ruínas que estão lá. Vai demorar décadas para os cientistas descobrir a extensão desta e de outras antigas civilizações da Amazônia.”

Igualmente, tem levado décadas para que o conceito de Fawcett seja revivido. Durante anos, seus únicos adeptos verdadeiros eram sua família, aqueles que o viam como o último dos grandes exploradores e ocultistas que acreditavam que Fawcett tinha desaparecido porque descobriu uma porta de entrada para uma nova dimensão. De fato, ainda existem aqueles que adoram Fawcett e acreditam que a City of Z foi realmente uma porta para um universo alternativo – um site anuncia expedições “ao mesmo portal ou porta de entrada para um reino que foi encontrado pelo Coronel Fawcett em 1925”.

Os mundos da arqueologia e da ciência podem levar mais tempo para reconhecer o explorador excêntrico. Mas, quaisquer que sejam as manias de Fawcett, ele parece ter sido amplamente correto. Além disso, sua memória será prolongada por uma adaptação cinematográfica de The Lost City of Z, em que ele será interpretado por Brad Pitt. Falar sobre um retorno.

http://www.timesonline.co.uk/tol/news/science/earth-environment/article6982391.ece?print=yes&randnum=1268931201575
Tradução por Zhannko, by tradutor Google, com adaptações.

compartilhar

Piramidal no Facebook
.
●●● Gostou? Então Curta nossa página no Facebook.
.
Autor
●●●
 Seja amigo do autor do site no Facebook e esteja sempre antenado em assuntos interessantes.

Anúncios

2 Respostas to “Google Earth ajuda a encontrar cidade perdida na Amazônia”

  1. julia said

    nossa isso é uma historia emocionante talvez exista obrigada pela ajuda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: